Você conhece o "Fly-Advertising"?

Veja o que aconteceu em uma feira literária em Frankfurt, na Alemanha. A editora Eichborn precisava divulgar seu stand e para isso resolveu aplicar pequenos anúncios em moscas!
Se você não acredita, confira o vídeo






Fonte: Sedentário

Brasil é o país da América Latina com melhor imagem

O internacional. É o que indica o Nation Brands Index. No ranking, o país ocupa a liderança tanto na classificação geral, quanto em cada um dos seis itens analisados. Ainda segundo o estudo, o Brasil ocupa o 20º lugar na lista global dos países com melhor imagem internacional. Estados Unidos, França e Alemanha foram os mais bem avaliados.

O Nation Brands Index mensura a imagem de diversos países, mostrando como eles são percebidos mundialmente e com que características são mais associados. Na composição do índice, os países são avaliados quanto aos seguintes critérios: exportação, governança, cultura, povo, turismo, imigração e investimento.

De acordo com o Nation Brands Index, a imagem do Brasil é mais associada a características de lazer e entretenimento do que a administração e economia. O atributo mais relacionado ao país é a cultura, pois o Brasil é o 10º colocado do ranking global deste item. O turismo também é um ponto de destaque, já que o país está em 12º lugar neste quesito, enquanto a forma como o povo brasileiro é visto no mundo coloca o país na 17ª posição.

Em relação ao item imigração e investimento, o Brasil é o 21º colocado, em governança é o 24º e em exposição, o 26º. Em 2008, o país ocupava a 21ª posição na classificação geral. O índice foi criado em 2005 por Simon Anholt, escritor, consultor internacional de governos e criador do conceito de “nation branding”. Em 2008, o estudo foi ampliado a partir de uma parceria com a GfK dos Estados Unidos.


Fonte: Mundo do Marketing

ALE faz guerrilha na torcida do Flamengo

A ALE, patrocinadora oficial do Flamengo, bateu recorde de acessos ao seu site ao lançar a ação digital “Onde está o ALE?”. A distribuidora de combustível utiliza a tecnologia gigapixel para fotografar a torcida em jogos do time no Campeonato Brasileiro. O objetivo dos internautas é achar cinco frentistas da distribuidora e outros personagens espalhados na torcida através da imagem gigapanorâmica.

Com esta ação a ALE pretende criar boca a boca e ativar o patrocínio ao clube Rubro-Negro. As fotos estão disponíveis no site www.ale.com.br e até o final do ano a empresa promete lançar uma nova ação de guerrilha. A próxima foto para a ação será feita na partida entre Flamengo e Santos, sábado, no Maracanã.

Fonte: Mundo do Marketing

TweetDeck é integrado ao Facebook

Com o software TweetDeck, o internauta não só publica posts na rede social Twitter: ele visualiza todos os textos que escreveu no serviço e, se quiser, dá uma espiada nas mensagens que os amigos também publicaram.

O TweetDeck é pequeno e consome menos de 500 Kb de espaço no disco rígido, mas nem por isso deixa de ter uma interface atraente e fácil de usar.

Entre suas ferramentas, duas se destacam. A primeira é o sistema de busca, que ajuda o usuário a encontrar rapidamente mensagens na base da rede social sobre qualquer tema discutido por seus usuários.

Já a segunda é que a permite integração com alguns recursos com o Facebook. Por exemplo, do TweetDeck é possivel mandar mensagens para os amigos que também fazem parte da rede social.

O TweetDeck foi desenvolvido com a tecnologia Adobe AIR. Para usá-lo, portanto, o internauta precisa instalar no computador esse programa.

Fonte: Info Plantão

PDV influencia brasileiros na hora da compra

As ações e promoções feitas diretamente nos pontos de venda são os fatores que mais influenciam os consumidores brasileiros a tirar o dinheiro do bolso para adquirir produtos. Além disso, passado o período de maior instabilidade e de receio em relação à economia global, as pessoas já se sentem mais a vontade para voltar a colocar em seu carrinho de compras os seus itens preferidos, que tinham sido deixados de lado ou substituídos por outros mais baratos.

As conclusões são alguns dos resultados principais do estudo "Crise ou Incerteza?", realizado pela Nielsen em 50 países, do qual participaram mais de 17 mil pessoas. Segundo os resultados obtidos junto aos pesquisados no Brasil, o atual período aponta para um crescente otimismo em relação à economia nacional e global, o que tende a impulsionar o consumo.

Em termos de confiança, os brasileiros ocupam o quarto lugar entre os países pesquisados pela Nielsen, ficando atrás da Indonésia, Índia e das Filipinas. Enquanto a média global de confiança ficou em 82 pontos, a do Brasil atingiu 96. De acordo com a pesquisa, as ações de ponto de venda são responsáveis por incrementar em 55% as vendas dos produtos.

Outro ponto importante apontado pelo estudo diz respeito à maneira como os brasileiros estão indo ás compras. Se anteriormente o hábito de encher os armários e estocar uma grande quantidade de mercadorias era comum, agora os consumidores estão indo mais vezes aos pontos de venda, mas comprando uma quantidade de itens menor.
O potencial de consumo das classes D e E cresceu, fazendo com que esses dois níveis socioeconômicos sejam responsáveis por 36% de todo o consumo médio do País. O valor do tíquete médio da classe C caiu 4% em relação à pesquisa anterior, o que indica um aumento da freqüência das compras e a aquisição de menos itens.

Itens das prateleiras
O estudo também mediu a oferta de produtos disponíveis aos consumidores em diferentes categorias. As bebidas energéticas foram um dos quesitos que mais se destacaram e chamaram a atenção dos consumidores nos pontos de venda. A entrada de novas marcas e players no segmento fez com que a categoria crescesse 47,7% no primeiro semestre de 2009 em relação ao mesmo período do ano passado.

A categoria de isotônicos também obteve destaque, com crescimento de 27,9%, seguida da de iogurtes, com 10,5% de crescimento graças ao surgimento de novas linhas, com destaque para os itens light e funcionais.

Fonte: Meio e Mensagem

O triângulo dourado da nova era

O painel de abertura do último dia do MediaOn, fórum de jornalismo online que acontece em São Paulo, contou com a presença de Pierre Haski, editor chefe do site Rue89.com e Fernando Madeira, CEO do Terra Latin America. Em debate, a experiência das empresas que já nasceram com vocação digital. A mediação foi de Cluadia Vassalo, diretora de redação do núcleo Exame do Grupo Abril.

Haski iniciou o debate falando sobre os maiores erros das empresas que desejam criar um portal de notícias. O francês colocou três fatores como primordiais: possuir apenas um investidor por trás, iniciar com um time muito extenso de jornalistas e ser 100% dependente de publicidade. O jornalista relembrou que possuir acesso livre é fundamental e que o faturamento deve provir metade de publicidade e metade de serviços.

A confiança no jornalismo também foi destaque na exposição de Haski. Ele fez referência à uma pesquisa francesa, de um mês atrás, em que 62% dos entrevistados não confiam em seus jornalistas em seu País. Ainda comentando as peculiaridades francesas, Haski comentou que 50% dos sites que recebem publicidade não são de notícias e reafirmou que "depender da publicidade é um erro mortal".

Aproveitando isso, ele mostrou duas das saídas utilizadas pelo Rue89.com: um "muro de anúncios", onde pessoas físicas também fazem microanúncios e sua loja, que vende, inclusive, vende peças de roupas. "A limitação não está em tecnologia. Está em nossas mentes", finalizou.

Já Madeira fez uma crítica direta aos que não pensam de forma digital. Mostrando frases de executivos renomados como os norte-americanos Rupert Murdoch e Arthur Sulzberger Jr., e, principalmente, citando Oliver Stone, o CEO do Terra Latin America dividiu os que estão na "stone age" e na "digital age".

Isto posto, o executivo apresentou dados referentes à transmissão do Terra TV durante as Olimpíadas/2008 e citou o "triângulo dourado" da nova era, formado por conteúdo/tempo real/mobilidade. "Quem não aprender isso, vai morrer", profetizou. Madeira ainda citou um número interessante: em apenas dois anos, o Terra recebeu 100 mil vídeos colaborativos de internautas.

Falando sobre os meios de comunicação, o executivo ainda afirmou que a internet é o mais democrático e que, no Brasil, perde apenas para a TV em penetração. "A soma da participação das classes C e D já é maior que a das classes A e B", afirmou.

O modelo de negócios também foi discutido: como convencer o anunciante que os sites são a melhor opção? "Todo mundo está com problemas", brincou Haski. "Nossa vantagem é que já construímos nossas empresas com base na internet", explicou o francês. Já o executivo brasileiro disse que a publicidade ainda é a alma do negócio. "50% do faturamento do Terra vem de publicidade", explicou, relembrando ainda que quem tem mais audiência tem mais chance de conseguir anunciantes.

Fonte: Meio e Mensagem

Orkut muda para manter base de usuários

O Google anunciou nesta quinta-feira, 29, as mudanças que há um ano vêm sendo planejadas e colocadas em doses homeopáticas no ar na página do Orkut. Totalmente redesenhada e com novas funcionalidades, a rede social mais popular da internet brasileira ganha agora mais agilidade nas atualizações. Montar um novo álbum de fotos, por exemplo, consumirá três vezes menos tempo dos usuários que, enquanto aguardam a atualização, podem já escrever as legendas das imagens e selecionar os amigos para quem desejam enviar. Com ferramentas como a possibilidade de postar depoimentos em vídeo.

De acordo com pesquisa encomendada pelo Google, o compartilhamento de fotos é um dos serviços mais populares do Orkut, tendo sido citado como preferido por 67% dos usuários. "Mais de 30 milhões de fotos são postadas todos os dias nas páginas do Orkut. Nossa ideia é justamente facilitar esse compartilhamento", comentou Victor Ribeiro, diretor de produtos do Orkut.

A página do perfil também poderá ser configurada com cores diferentes e as informações pessoais poderão ir além de texto sendo expressas por meio de vídeos ou dos aplicativos agora disponíveis.

A proposta com a nova configuração é também tornar o Orkut mais rentável do ponto de vista de publicidade. De acordo com Berthier Ribeiro Neto, diretor de engenharia do Google para a América Latina, o endereço já vem se mostrando rentável no Brasil e as mudanças podem culminar em uma variedade maior de formatos para os anunciantes. "Temos conquistado resultados excelentes, mas procuramos respeitar os usuários sem exagerar na dose, já que o aumento de receita está relacionado à penetração contida da publicidade", disse.

Estratégia de divulgação

Semanas atrás vazava na internet a informação da reformulação do Orkut assim como uma imagem dando uma prévia de como seriam essas mudanças. Tudo isso, no entanto, fazia parte da primeira etapa da campanha de divulgação para a rede social. Através do personagem Danilo Miéd, o Google, portanto, anunciou as transformações utilizando todos os outros canais sociais existentes na internet. Para tanto forma criados um blog, perfil no Twitter, vídeos no YouTube e a viralização através das páginas das bandas Skank e Detonautas também no site de compartilhamento de vídeo.

A segunda fase da campanha foi iniciada hoje e consiste da distribuição de convites aos seguidos do personagem para que passem a usufruir da nova era do Orkut. Isso porque, assim como aconteceu na chegada do Orkut ao País, somente poderão acessar a nova interface os internautas devidamente convidados. "Com a propagação dos convites esperamos que no final do primeiro semestre de 2010 todos os usuários do Orkut já tenham migrado para nova plataforma", diz Ribeiro.

A nova interface, porém apenas poderá ser acessada mediante convites, que começaram a ser distribuídos pela equipe do Google no Brasil.

Fonte: Meio e Mensagem

Habitação gasta menos

O governo federal gastou até agora com habitação popular R$ 10,5 bilhões. A previsão, entretando, em março, era desembolsar R$ 18 bilhões até dezembro. A estimativa é de que o valor gasto atinja R$ 12 milhões nos próximos meses. Na avaliação do governo, o volume projetado para este ano já será um recorde. Em 2008, foram aplicados em moradias populares R$ 5,8 bilhões.

Fonte: Extra e ADEMI-RJ

Condomínios de luxo agora têm gestão ‘Personnalité’ em SP

Um nova maneira de administrar condomínios promete revolucionar o mercado imobiliário nacional a partir deste ano. A Lello, administradora de imóveis de São Paulo, acaba de lançar um modelo segmentado inédito para atender empreendimentos residenciais com perfis diferenciados. O produto é fruto de dois anos de pesquisas de mercado.

Além do formato de administração tradicional, que recebeu nova formatação e ganhou o nome de Lello Condomínios Class, a empresa passou a oferecer uma espécie de versão “Personnalité” destinada a condomínios de luxo, chamada Class Prime, com direito a consultor especializado para atender o síndico, e o Lello Condomínios Club, voltado a condomínios com muitas torres e serviços de lazer, incluindo os de tipo clube.

A administradora também criou uma loja de serviços, chamada Lello Store, disponibilizando aos clientes de sua carteira mais de 100 itens relacionados à gestão dos edifícios e seus funcionários, que podem ser adquiridos de forma avulsa ou por meio de assinatura mensal.

Para atender os empreendimentos de alto padrão, o Class Prime da Lello oferece atendimento do consultor no próprio empreendimento, com presença constante e carteira de clientes reduzida, planejamento financeiro de 24 meses para o condomínio, planejamento de segurança e planejamento de preservação patrimonial.

O produto também disponibiliza serviços de hospitalidade ao condomínio, como personal training, recreação especial para crianças, organização de guarda-roupas e central de entregas e recados. O Class Prime é indicado para síndicos com pouco tempo disponível para gerenciar o condomínio e que preferem ter a comodidade de receber atendimento exclusivo da administradora no local.

Já o Lello Condomínios Club oferece, como diferenciais, a presença de um gerente predial no empreendimento e o desenvolvimento de projetos de uso otimizado das áreas comuns, com soluções diferenciadas para a utilização de todos os equipamentos existentes no condomínio, como espaço gourmet, quadras esportivas, mini-campos de golfe e academias. O produto, que também disponibiliza serviços de hospitalidade, é indicado para condomínios a partir de três torres, com mais de 10 itens de lazer ou área de terreno superior a 5 mil metros quadrados.

Na Lello Store a administradora concentrou todos os serviços que podem gerar praticidade e economia aos condomínios, como guarda e auditoria de documentos, serviços de vistoria técnica, treinamento de funcionários (segurança, manutenção predial, técnicas de zeladoria, limpeza), reuniões com o corpo diretivo do edifício, providências junto ao corpo de Bombeiros, prefeitura e concessionárias de energia e água, análise de contratos de longo prazo com fornecedores, projetos de preservação ambiental, estudo de folha de pagamento para redução de custos e obtenção de certidões para o prédio, dentre outros.

“O mercado de condomínios residenciais sofreu expressivas mudanças nos últimos dez anos, com a diversificação dos tipos e perfis de empreendimentos, segundo diferentes gostos, diferentes bolsos e diferentes estilos de administrar. Os síndicos, portanto, têm expectativas distintas sobre os produtos e serviços ideais para a administração do prédio. Por isso decidimos desenvolver pacotes diferenciados que vão desde produtos compactos até soluções completas de gestão”, afirma o diretor-superintendente da Lello Condomínios, Antonio Couto.

Fonte: Zap Imóveis

Senado aprova mudança na Lei do Inquilinato e facilita retomar imóvel

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado aprovou ontem, em caráter terminativo e por unanimidade, projeto que altera a Lei do Inquilinato, de 1991. O projeto permite que o locador não renove o contrato se receber uma proposta mais elevada. O inquilino só poderá continuar no imóvel se cobri-la. Essa possibilidade já consta do novo Código Civil, segundo o qual, passados os 30 meses contratuais da locação, as partes estão livres para deixar ou pedir o apartamento a qualquer momento.

O texto também facilita a retomada do imóvel. Atualmente esse tipo de processo, que para na Justiça, dura em média 14 meses - mesmo quando o inquilino está sem pagar o aluguel. E ainda assim a desocupação do imóvel só precisa ser feita seis meses após o fim de todos os trâmites legais.

INADIMPLENTE PODERÁ SER DESPEJADO EM 30 DIAS - Pelas novas regras, o juiz poderá determinar o despejo respeitando apenas um período de 30 dias para saída voluntária do inquilino. E, quando houver a ação de despejo, ela só poderá ser suspensa se o inquilino quitar integralmente a dívida em até 15 dias. Na lei atual, só é necessário apresentar um requerimento em que o locatário atesta a intenção de pagar a dívida para evitar o despejo. Isso normalmente atrasa as ações por até mais quatro meses.

Se não houver um recurso para que a matéria seja apreciada pelo plenário, o projeto seguirá para sanção presidencial.

As alterações visam a adequar o texto da Lei do Inquilinato às mudanças do Código Civil de 2002 e do Código de Processo Civil. De acordo com a relatora do projeto, senadora Ideli Salvatti (PT-SC), o texto aprovado garante uma maior segurança jurídica para locatários, inquilinos e fiadores.

“A estimativa hoje é que há pelo menos três milhões de imóveis fechados no país. Nossa expectativa é que essas mudanças na lei estimulem seus proprietários a colocarem esses imóveis de volta no mercado. Como nesse setor o que rege os preços é a lei da oferta e da procura, a tendência é que os valores dos aluguéis também caiam”, afirmou a senadora.

Entre as mudanças aprovadas na Lei do Inquilinato está a permissão para que seja substituído o fiador apresentado pelo inquilino em caso, por exemplo, de separação do casal que aluga o imóvel ou mesmo quando o locatário morrer.

Atualmente, o compromisso do fiador só acaba com o encerramento do contrato. O texto estabelece que, nesses casos, o fiador original ficaria livre de suas obrigações e só continuaria responsável pela fiança até 120 dias depois de notificar o locador.

SECOVI-RIO APROVA MUDANÇAS, LOJISTAS CRITICAM - O novo texto também determina que, no caso de renovação do contrato, o fiador deverá reapresentar os documentos de comprovação de renda. O objetivo é permitir que o locatário se certifique de que as garantias oferecidas durante a assinatura do primeiro contrato continuam as mesmas. O projeto autoriza ainda o despejo em rito sumário, quando o contrato fechado entre o locatário e o inquilino dispensar a figura do fiador ou a apresentação de um seguro equivalente. Mas isso apenas quando houver atraso no pagamento do aluguel.

Para o vice-presidente do SecoviRio (sindicado da habitação), Leonardo Schneider, a nova lei incentivará investimentos em imóveis para aluguel. Ele diz que um imóvel residencial no Rio pode render até 0,7% ao mês. O comercial, até 1%.

“Às vezes levava até um ano para o inquilino inadimplente ser retirado, e o proprietário ficava inseguro de alugar novamente.”

A Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) vai fazer uma campanha junto aos parlamentares para que o projeto volte ao plenário. O presidente da CNDL, Roque Pellizzaro Junior, afirmou que “a medida é um tiro nas micro e pequenas empresas”.

Fonte: O Globo e Zap Imóveis

Aluguel com reajuste em novembro pode cair 1,31%

O Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M) subiu 0,05% em outubro, totalizando uma variação de -1,57% no ano e de -1,31% no período de 12 meses compreendido entre novembro de 2008 e outubro deste ano.

Com isso, os contratos de aluguel com aniversário em novembro poderão sofrer redução de 1,31%, visto que o IGP-M baliza boa parte dos contratos de aluguel de imóveis residenciais.

Um imóvel alugado por R$ 1 mil até outubro passa a valer R$ 986,90 a partir de novembro pelos próximos 12 meses. O fator multiplicador em relação ao aluguel de outubro é de 0,9869. É preciso levar em conta que esse reajuste vale para contratos com reajuste em novembro e pagamento no início de dezembro.

Fonte: Zap Imóveis

Palco HSBC chega às ruas do Brasil

O minipalco estará nas ruas de diversas cidades para que as pessoas possam subir e expressar suas ideias


A JWT, em parceria com a Mídia Digital, criou uma campanha diferenciada para o Banco HSBC, intitulada "Palco HSBC". Trata-se da instalação de um minipalco nas ruas de diversas cidades do Brasil, para que as pessoas possam subir e expressar suas ideias sobre temas relevantes como casamento, honestidade, liberdade e tecnologia, responsabilidade, beleza e Jogos Olímpicos.

Esta mesma campanha já havia sido feita em junho deste ano em Nova York. O objetivo é aprender sobre os valores mais importantes para os brasileiros e entender seus princípios. A ação vai até dia novembro e deve percorrer sete capitais (São Paulo, Recife, Curitiba, Salvador, Campo Grande, Rio de Janeiro, Belo Horizonte), além de Ribeirão Preto e Campinas. Estão programados também eventos nas ruas e relacionamento online. Para saber as datas, locais e horários acesse o canal da marca no YouTube (clique aqui).

A versão online da campanha se prolonga até dezembro, em que os usuários podem dividir seus valores por meio de vídeo, fotos e comentários em redes sociais.

Fonte: Meio e Mensagem

Percebeu a mudança?

Sabe aquele aniversário do filho da amiga da cunhada da sua sogra? Hã? Maravilha né!? Pois então, balas de coco, mães com vários assuntos interessantíssimos confabulando entre si, pais bêbados e crianças correndo, chorando, gritando e vomitando... Ótimo!

Sem contar o velório daquela sua tia das antigas, lembra? Não? Pois é, eu também não. Enfim, programas imperdíveis, divertidíssimos onde sua presença é sempre solicitada.

São nessas horas que você deve levantar as mãos para o céu e agradecer por ser um publicitário, meu amigo.

Não temos tempo! Podemos negar, e o melhor, sem culpa, todos esses convites supimpas(um pouco de nostalgia) e extravagantes.

E você acha que isso nos deixa tristinhos? Nããããooo!!! Sabe por quê? Porque a gente gosta de fazer propaganda. A gente gosta de ficar na agência até às 3:00 da manhã e comer bobagens noite à fora(ficamos fofinhos e tenros, nossas namoradas(os) adoram), gostamos de fazer falta naquela festinha “animada”, nossos gatos e cachorros já estão quase adotando novos donos, nossas esposas e maridos juram que temos um caso, mas não vivemos sem nossos layouts, textos, twitters, blogs e café(esse é fundamental).

Mas toda essa conversa underground e neologista é só pra dizer aos nossos clientes e AVISAR ao mercado que estamos VIVOS, que somos apaixonados por propaganda e que estamos de mudança. Isso mesmo, MUDANÇA!

Nova logo, novo nome, novo espaço(em breve), novos ares, novos laços, novos abraços, novos amores, mas tudo isso sem adultério e sem perder nossas principais virtudes: Apostar nos talentos, dar ênfase à criatividade e tratar com respeito nossos clientes e parceiros. Agora nos chamamos: CENTRAL IDEIAS ESTRATÉGICAS. Deixamos de ser apenas a Central do Brasil, somos agora a Central de tudo!

Pois bem, é isso aí, nossos gatos e cachorros continuarão sentindo nossa falta, aquela festinha não terá nossa adorável presença, vamos continuar gastando alguns minutos preciosos para explicar para nossas(os) parceiras(os) que não temos outra(o), tudo isso para manter nossos compromissos, respeitar prazos e fazer o melhor, pois foi fazendo o melhor que chegamos até aqui e é fazendo o melhor que vamos continuar nossa evolução e sendo referência de mercado, sempre.

Sejam bem-vindos à nova CENTRAL IDEIAS ESTRATÉGICAS, aproveite, explore, experimente, surpreenda. Como já dizia Heráclito(não podíamos deixar de citar um filósofo como “cereja do bolo”, né), “Nada perdura a não ser a mudança”.

Cyrela levanta R$ 1 bi com oferta de ações

Papéis foram vendidos a 22 reais cada e começam a circular nesta quinta-feira

A Cyrela Brazil Realty, maior incorporadora do Brasil, levantou 1,04 bilhão de reais com oferta primária de ações na Bovespa, tornando-se a quinta empresa do setor a ofertar papéis em 2009.

Foram vendidas cerca de 47,3 milhões de ações ordinárias (CYRE3, com direito a voto), a um preço de 22 reais cada. O valor de emissão representa um desconto de 1,79% sobre o valor de fechamento da ação no pregão desta terça-feira (27/10) na bolsa, quando o papel já tinha caído 6,93%.

Segundo a companhia, a oferta pode ser acrescida de lote suplementar de 6,45 milhões de ações de um total de 53,8 milhões de papéis registrados para a transação.

O exercício do lote suplementar já está registrado na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), e poderá ser vendido nos próximos 30 dias para atender a um eventual excesso de demanda.

Pelo cronograma da transação, os novos ativos passam a ser negociados na próxima quinta-feira (29/10). A liquidação financeira vai ocorrer no dia 3 de novembro.

A Cyrela, pretende usar os recursos captados para a aquisição de terrenos e capital de giro.

O Credit Suisse é o coordenador líder da oferta, ao lado de Bradesco BBI, Goldman Sachs, Itaú BBA e Santander.

Fonte: Portal Exame

Lançamento de "Goiânia - A Cidade dos Parques"

Décio Marmo de Assis, renomado profissional da fotografia, lançou ontem "Goiânia - A Cidade dos Parques". O livro é um portfólio fotográfico dos parques de Goiânia, com visão focada na estruturação do meio ambiente urbano da Capital. Todos os 22 parques, bosques e áreas de proteção ambiental municipais foram registrados pelas lentes do fotógrafo. A obra, de 80 páginas, com aproximadamente 250 fotos, tem tiragem inicial de 3.200 exemplares. Para a publicação, Décio de Assis contou com o apoio de empresas goianas da construção civil, quase todas elas hoje engajadas na restauração de parques, praças e outras reservas ambientais da cidade. Entre elas GPL Engenharia, Sousa Andrade, Leonardo Rizzo e Opus Inteligência Construtiva. O lançamento aconteceu na Praça de Eventos do Goiânia Shopping, às 19:30 horas. Os convidados poderão ainda conferir a exposição fotográfica do livro, que estará aberta à visitação até o dia 8 de novembro.


Fonte: ADEMI-GO

Crédito aumenta mas os juros estão subindo

Os empréstimos para compra de veículos e casa própria puxaram o aumento no crédito para as famílias brasileiras em setembro. Segundo o Banco Central, o estoque de crédito chegou a R$ 1,35 trilhão - 45,7% do PIB, contra 38,7% no mesmo mês do ano passado. Um detalhe: apesar de a média dos juros ter sido a mais baixa desde 1994, as taxas ao consumidor cresceram. Os jornais de hoje comentam que, ao contrário do governo, os bancos preveem uma escalada da inflação em 2010 e antecipam a alta nos juros. Dados do Banco Central indicam aumento nas taxas cobradas para empréstimos e financiamentos em outubro. A elevação mais alta ocorreu para pessoa física e chegou aos 46% anuais. Levantamento do Banco Central sobre os primeiros dias de outubro revela que os bancos estão pagando juros mais altos para captar dinheiro e, por isso, passaram a cobrar mais dos clientes. É a primeira vez em dez meses que a taxa sobe, em parte devido à expectativa de que a taxa básica vá subir em 2010. Na média dos empréstimos para as pessoas físicas, o juro subiu de 43,6% ao ano em setembro para 46% em 13 de outubro. Antes, o governo comemorava porque, no mês passado, a taxa ao consumidor estava no menor nível desde 1994. Além disso, os bancos aumentaram o spread, e cada vez mais clientes estão recorrendo a crédito mais caro, como cartão e cheque especial.


Fonte: ADEMI-GO

Olympus celebra 90 anos no espaço

A Olympus comemora 90 anos no espaço. A empresa criou o “Projeto Espacial Olympus” onde o astronauta japonês Koichi Wakata ficou durante cinco meses em órbita, na Estação Espacial Internacional. De dentro do módulo “Kibo” da estação espacial foram feitas imagens do planeta com a câmera E-3, da Olympus, que podem ser vistas no site http://olympus-space-project.com


A câmera E-3 é feita de magnésio e projetada com base nas normas da NASA para uso no espaço.

Fonte: Mundo do Marketing

Behavioral Targeting: O Futuro da Publicidade on-line

Por Hans Nieto (Diretor de Marketing e Comunicação da Indra para a América Latina)

Em um mercado publicitário em constante evolução como o latino-americano, os anunciantes enfrentam um grande desafio: conseguir um espaço na mente do consumidor e destacar-se dentro da imensa torrente de informações que circulam pela mídia. Este esforço é acentuado ainda mais quando se fala em publicidade on line, já que a multiplicidade de canais e portais web expôs os anunciantes à um mundo infinito, em que captar a atenção dos cibernautas se converteu no principal objetivo.

Neste contexto, a tecnologia se transformou em uma verdadeira aliada do anunciante para alcançar esta meta. Cada vez mais, a tecnologia aponta para o desenvolvimento de novas aplicações como, por exemplo, tecnologias Data Mining, que possibilitam conhecer o comportamento “virtual” dos potenciais clientes (Behavioral Targeting).

Estes tipos de soluções registram os motivadores de decisão em tempo real e formam uma base de dados relacionais, a fim de armazenar os perfis dos diferentes consumidores. Desta forma, as empresas utilizam estes dados para propor uma oferta adequada, no momento apropriado e de maneira mais competente, evitando sobrecarregar os canais de comunicação.

Assim, a conhecida trilha até o êxito de uma campanha (posição na mídia, qualidade da criatividade e contundência da oferta) se torna mais eficiente se na equação são considerados os gostos do consumidor e se consegue personalizar o anúncio.

Atualmente, as campanhas de publicidade nesta mídia são realizadas através do sistema de AdServing (publicação de banners) orientadas à rotação de mensagens em função da venda de espaços em que as distintas mídias acertam com os anunciantes. O futuro mostra uma importante evolução para o conceito de AdServing Inteligente, baseado no aprofundamento do conceito de Behavioral Targeting. Assim, os anunciantes deixarão de comprar espaços nas mídias para começar a comprar audiências. Isto é especialmente claro para aqueles empresários interessados em obter um retorno quantificável de seu investimento, além dos benefícios de branding.

Conceitos historicamente utilizados, como a quantidade de visualizações do nosso anúncio em cada mídia, estão dando espaço à indicadores mais úteis na hora de avaliar a eficácia das campanhas on line. Um exemplo tangível disso é o método CTR (Click Through Rate), que analisa a relação entre as visualizações e os contatos efetivos que o cliente alcançou durante a campanha. A chave para os próximos anos está em enviar uma mensagem relevante para um determinado consumidor, que resultará automaticamente em uma melhora no índice CTR.

A partir do que foi falado, está claro o protagonismo que assumiu a tecnologia como ferramenta para evolução do negócio publicidade. Más há ainda muito que fazer, especialmente se temos em conta que é destinado um orçamento cada vez maior aos meios on line.

Fonte: Mundo do Marketing

JWT conquista o Grand Effie

A JWT conquistou o Grand Effie, com a campanha "Bichos", desenvolvida para Ford. A definição do prêmio máximo da edição brasileira ocorreu na manhã desta terça-feira, 27, momentos antes da cerimônia de entrega dos troféus, realizada com almoço no Grand Hayatt São Paulo.

Na ocasião, também foram entregues os demais prêmios do Effie Awards Brasil 2009: dois Ouros e sete Pratas. Os Ouros foram para:

"Bichos", da JWT para Ford, na categoria Comércio e Varejo; e

"Deu a Louca no Biro-Biro", da JWT para Coca-Cola, na área de Promoção.

Conquistaram Pratas os cases:

"Paga 1 Viajam 2 Mastercard e TAM Viagens", da McCann Erickson para Mastercard, também em Promoção;

"Naldecon Ovelhas", da Lew'Lara\TBWA para Bristol-Myers Squibb, na categoria de Produtos;

"Bonafont", da Y&R para Danone, em Lançamentos;

"Caminhões Sob Medida", da AlmapBBDO para Volkswagen, na área de Bens Duráveis;

"Mãe: Você É Essa Coca-Cola Toda", da McCann Erickson para Coca-Cola, na categoria Alimentos e Bebidas;

"Nota Fiscal Paulista", da Lua Branca para a Secom do Governo do Estado de São Paulo, entre as campanhas Sem Fins Lucrativos; e

"Nextel. Bem-vindo ao Clube", da Loducca para Nextel, em Serviços.

Neste ano, foram 63 cases concorrentes. Para conquistar um Effie de Ouro ou de Prata, o projeto precisava ter pontuação média superior a oito e seis, respectivamente, em uma escala de zero a dez. Por este motivo, não houve vencedores na categoria Serviços Financeiros - justamente a área da qual saiu o Grand Effie 2008 para Neogama/BBH, pelo projeto Bradescompleto. O prêmio máximo é entregue ao case preferido do júri entre aqueles vencedores de Ouros.

O principal diferencial do Effie Awards - fruto de uma parceria entre o Grupo M&M e a American Marketing Association New York (AMA NY) - é o fato de prezar pelo destaque a cases eficazes, nos quais as estratégias de marketing e de comunicação tenham gerado ideias criativas de alto nível e contribuído para o alcance de resultados determinantes para o anunciante.

O Effie Awards Brasil 2009 conta com patrocínio de AgênciaClick, Grupo Bandeirantes e Veja, além de apoio do Grupo de Planejamento e da Nexial. Criado há mais de 40 anos, o Effie Awards é realizado atualmente em 39 países.

Fonte: Meio e Mensagem

O papel do email marketing

O email marketing é um daqueles exemplos de como o mau uso de uma ferramenta pode acabar por prostituir um eficiente canal de comunicação entre empresas e consumidores. Prejudicado pelo desenfreado envio de spams e pela utilização inadequada, o email marketing, contudo, é extremamente valioso dentro de uma estratégia séria de comércio eletrônico. Pelo menos foi essa a premissa defendida pelos participantes do E-Commerce Summit 09, evento que acontece nesta terça-feira, 27, em São Paulo.

Segundo Walter Sabine, da Virtual Target, por exemplo, esse canal é um excelente ponto de contato para travar diálogo com os que compram pela internet oferecendo informações preciosas capazes de fazer com que determinados clientes consumam mais vezes nas mesmas lojas virtuais. "Quando utilizado para entender os desejos dos internautas de maneira constante o email marketing oferece ótimos resultados como parte fundamental de um planejamento de marketing, Ele não deve, no entanto, ser encarado como um canal de captação de clientes através do envio não direcionado", acredita o executivo. Sabine disse ainda que é necessário um período de cerca de seis meses para que os resultados com esse tipo de ação comece a mostrar resultados efetivos.

Para Marcos Amary, do site Estação do Vinho, o email marketing é realmente ponto central para manter o cliente em contato com a loja. De acordo com ele, através do banco de dados atualizado espontaneamente pelos internautas, é possível direcionar o contato filtrando o envio por faixa de preços dos vinhos comprados, o tipo de uva preferido, a nacionalidade da bebida e ainda investir em conteúdo diferenciado para cada tipo de consumidor. "Costumamos mandar email, por exemplo, com os dez melhores vinhos dentro das preferências e dos históricos dos clientes", conta Amary. "Essas são oportunidades muito boas de estar em contato com o consumidor respeitando sua privacidade e, sobretudo, sua vontade", acrescenta.

Por Marina Ditolvo

Fonte: Meio e Mensagem

Secovi-SP: em setembro, imóvel demorou, em média, de 11 até 28 dias para ser alugado

Um imóvel bem localizado e em bom estado de conservação demorou, em média, de 11 a 28dias para ser alugado em setembro.

O dado faz parte da pesquisa divulgada pelo Secovi-SP (Sindicato da Habitação), na última sexta-feira (16).

Segundo o levantamento, as casas e os sobrados foram alugados mais rapidamente do que os apartamentos no nono mês do ano. Em média, uma casa demorou entre nove e 25 dias para ser alugada, ao passo que um apartamento demorou mais, entre 17 e 35 dias.

Garantias
Apesar de as outras formas de garantia do aluguel estarem aumentando sua participação, os fiadores ainda continuam sendo os mais adotados na hora de alugar um imóvel. Em setembro deste ano, 50% dos contratos foram assinados por meio deles na cidade de São Paulo.

O depósito (incluindo o caução), respondeu por 30% dos contratos de aluguéis assinados no mês passado e o seguro-fiança foi a escolha de 20% dos inquilinos.

Valor do aluguel variou 0,5% em setembroAinda de acordo com o Secovi, o valor do aluguel na cidade de São Paulo variou 0,5% em setembro.

No acumulado dos últimos 12 meses, a alta ficou em 8,3%, percentual superior ao comportamento da inflação ao consumidor no período, como o IPCA do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), que variou 4,34%.

Fonte: Rede Imobiliária

Saque do FGTS também vale em financiamentos antigos

STJ entende que contrato assinado antes de 1990, fora do SFH, tem direito de utilizar recursos do fundo.
Os cerca de um milhão de mutuários que mantêm contratos fora do Sistema Financeiro da Habitação (SFH) anteriores a 1990 podem sacar recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para amortizar ou quitar a dívida da casa própria. Decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) reconheceu o direito de uma mutuária que não podia mais arcar com as parcelas de uma hipoteca e queria utilizar o dinheiro aplicado na conta do FGTS. O Tribunal já deu o mesmo parecer em casos similares.
Segundo o advogado Rodrigo Daniel dos Santos, do Instituto Brasileiro de Estudo e Defesa das Relações de Consumo (Ibedec), atualmente, a lei do FGTS exige apenas que o trabalhador contribua há três anos, no mínimo; não tenha feito saques; e utilize o saldo para a compra do primeiro imóvel. Até 1990, porém, a legislação do fundo também condicionava o saque à entrada no SFH e excluía os inadimplentes. A mudança veio com a promulgação do Decreto nº 99.684. Para garantir o benefício, recomenda-se aos mutuários ir à Justiça.
- Os tribunais têm garantido o direito ao saque quando há empecilhos não estabelecidos pela lei - afirma Santos.
A presidente da Associação dos Mutuários do Brasil (Ambra), Josela Machado, concorda com o STJ. Para ela, quem tem contrato anterior a 1990 deve utilizar o saldo do FGTS para quitar saldos residuais de financiamento.


DECISÃO
O STJ reconheceu o direito de uma mutuária que desejava quitar a dívida de hipoteca com recursos do FGTS. O Tribunal já proferiu decisões semelhantes.


RAZÃO
O tribunal entendeu que as exigências da legislação anterior ao decreto que mudou as regras do FGTS perdem validade também para os contratos artigos


RECLAMAÇÃO
Para ter direito ao saque nessas condições, é necessário ir à Justiça.

Fonte: Extra e ADEMI-RJ

Arquitetos falam sobre a importância dos projetos urbanísticos de Reidy para o Rio de Janeiro

Rio de Janeiro - Década de 1940. Virtuoses da arquitetura moderna redesenham a paisagem das cidades com novos prédios, passarelas e áreas de uso comum. Entre eles está o francês radicado no Rio, Affonso Eduardo Reidy, arquiteto chefe da Prefeitura do Distrito Federal do Rio de Janeiro. Durante a sua atuação no cenário urbano carioca, até os anos 60, pelas suas mãos são realizados projetos canônicos como o Aterro do Flamengo, o Museu de Arte Moderna e o Conjunto Habitacional Pedregulho. A capital federal ganha ares mais modernos, tendo também como aliadosLe Corbusier e Lúcio Costa.
No ano em que Reidy completaria 100 anos, arquitetos comentam suas obras e destacam os elementos mais importantes de sua atuação na urbe carioca.
“Ele integra o grupo de arquitetos que foi decisivo para a implantação da arquitetura moderna do Brasil. Participou do projeto do MEC (Ministério de Educação e Cultura), que marcou a arquitetura brasileira dos anos 40 e 50. Foi um momento em que a arquitetura brasileira teve uma importância muito grande, dando visibilidade para os projetos políticos”, diz o arquiteto e professor da Faculdade de Arquitetura da Universidade de São Paulo (FAU-USP), Nabil Bonduki, também organizador do livro Affonso Eduardo Reidy, em parceria com Lina Bo Bardi e a editora Blau.


O trabalho de Reidy, para o arquiteto e professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) Edson Mahfuz, revela um período em que os projetos urbanísticos do estado e da prefeitura eram mais conceituais, inovadores. O funcioário público, diz, tinha maior autonomia. Projetos como o de habitação do Pedregulho e o Aterro do Flamengo propunham soluções urbanísticas, como o aterramento do mar, deslocamento de morro e de ocupação de vazios urbanos, que já na época eram bastante ousadas. Atualmente, o trabalho do funcionário público ficou reduzido às questões burocráticas, constata Mahfuz.



“A função pública, do arquiteto, ficou muito burocratizada, e menos atraente. Na época do Reidy, o funcionário colocava, ele mesmo, a mão na massa, além de criar um projeto conceitual. Em épocas mais recentes, o único arquiteto que posso citar, é o Conde, mas este já com uma atuação diferente.”

Nabil Bonduki faz coro com Edson Mahfuz e acrescenta:
“Hoje, a arquitetura autoral do poder publico é mais difícil de acontecer. Em geral, os projetos são coletivos e é raro um arquiteto do poder publico desenvolver um projeto. Tem um corpo de arquitetos muito grande, mas não autor de projetos autorais. O Reidy vai se destacar no serviço público como urbanista. Ele é um mestre da articulação entre a arquitetura e o urbanismo. Embora trabalhasse com espaço urbano, ele também projetava edificações. Reidy desenvolveu várias alternativas de projetos, de planos, para área de morro que foi desmontado no Rio em sua época. Ele, ao mesmo tempo, que propunha uma solução urbanística, fazia projetos dos edifícios. Atualmente, ísso é mais raro de acontecer”, informa Nabil.
Histórias de amor também são costuradas à vida de Reidy. O arquiteto se enamorou de Carmem Murtinho, na época diretora do Museu de Arte Moderna do Rio e diretora do departamento de habitação da prefeitura. Segundo conta Nabil, ela foi uma pessoa fundamental na sua vida e carreira.
“Carmem Murtinho era uma pessoa muito forte, com personalidade. Se impunha em ambientes masculinos, o que era raro na época e teve um papel decisivo nos dois principais projetos de Reidy, o Pedregulho, conhecido como o minhocão da Gávea e o MAM, Museu de Arte Moderna. Como diretora do MAM, ela viabilizou a construção sob o ponto de vista gerencial. Tomou como uma missão viabilizar a construção integral do Pedregulho, buscando recursos no Congresso. Certamente, se não fosse ela, o Reidy não teria tanto destaque, por ser uma pessoa mais retraída, não tinha o carisma do Niemeyer para conseguir espaço”, diz Nabil.

Fonte: Zap Imóveis e O Globo

Quem são as empresas nascidas e criadas com a era das mídias sociais

Por Camila Fusco


Quem são as empresas nascidas e criadas com as mídias sociais Com o crescimento do uso das redes sociais -- só em junho 770 milhões de pessoas visitaram sites de relacionamento no mundo, segundo a consultoria comScore --, empresas começam a se especializar em colocar marcas dentro dessas interações virtuais. Mas não é com a propaganda tradicional que essas empresas estão se dando bem. Muita criatividade para articular as mídias sociais tem sido a fórmula ideal para muitas delas decolarem.

Uma das empresas nascentes é a Intentio, divisão destinada a mídias sociais da agência Brands. Os sócios Fábio Carletto e Filipe Costa são especialistas em pensar em projetos capazes que estimular a participação dos integrantes de redes sociais e favorecer a interação com as marcas. Com uma ideia na cabeça e um projeto embaixo do braço, eles batem a porta de empresas que possam patrocinar a estratégia – como o concurso Garota Social, que elegeu a menina mais bonita do Orkut. Uma das iniciativas recentes é o Follow Shop, autodefinida como um formato de compra colaborativa que reúne grupos de compra no Twitter.

Na prática funciona assim. Uma empresa cria um perfil no Twitter com uma promoção e estimula seus seguidores a passarem a mensagem adiante em seus posts (com um "retweet" ou RT, na linguagem dos tuiteiros). Ao chegar a um determinado número de seguidores, a promoção é encerrada. E os usuários que participaram da disseminação das mensagens pelo Twitter conseguem comprar as coisas oferecidas pela empresa com preços especiais.

A primeira a aderir ao modelo foi a locadora online NetMovies. Nesta semana, a empresa criou um FollowShop que, ofereceu o plano mensal de 1 DVD em casa por 1 real para os usuários que ajudaram a disseminar a promoção -- e ajudaram o perfil @netmovies_24h a chegar a 50 seguidores em 24 horas. Hoje é a vez da rede de lojas Marisa, que oferecerá 20% de desconto na loja virtual se o perfil atingir 30 seguidores em 24 horas.

A agência Espalhe já existe há seis anos e agora tem investido em ações em redes sociais que potencializem o boca-a-boca virtual, mesmo com empresas que naturalmente não tem uma inclinação com internet. É o caso da campanha feita para a rede distribuidora de combustíveis ALE. A primeira ação envolveu a estruturação dos shows da banda Fresno em postos de gasolina da rede em quatro cidades brasileiras e mobilizou os fãs pelo Twitter.

Agora, a agência criou um site que publica fotos da torcida do Flamengo, time patrocinado pela ALE, em dias de jogo no Maracanã. O portal tem uma ferramenta de visualização parecida com a do Google Earth ou Google Maps que permite ao torcedor aproximar a imagem e identificar-se nas arquibancadas. Também pode encontrar elementos promocionais da rede e concorrer a prêmios. "É uma forma de mostrar como o posto de gasolina pode ter presença na vida das pessoas", diz Gustavo Fortes, diretor da Espalhe.

Já a brasileira Boo-box é um dos exemplos de empresas que decidiram investir em publicidade relacionada contextos específicos. Você está falando sobre sapatos numa comunidade do Orkut? Por que não comprá-los lá mesmo? A ideia da Boo-box chegou até a receber recomendação do blog americano TechCrunch e recebeu aporte de capital do fundo Monashees. "A propaganda vai migrar para onde os consumidores estiverem. E hoje, as redes sociais são o principal local onde encontrá-los", afirma Peter Kim, especialista em marketing digital.

Enquanto isso, criatividade é a alma do negócio.


Fonte: Portal Exame

Johnnie Walker faz ativação de Black Label em evento

A Johnnie Walker Black Label leva os artistas plásticos Otávio e Gustavo Pandolfo para o palco do Buddha Bar, na Vila Olímpia, em São Paulo, na próxima terça-feira, dia 3. OSGEMEOS, como a dupla é conhecida, são os convidados da apresentadora Lorena Calábria na edição ao vivo do programa “Johnnie Walker com Gigantes”, transmitido pela rádio Mitsubishi FM 92,5 e aberto ao público.

A entrevista com os irmãos destaca a trajetória dos artistas e complementa a exposição “Vertigem”, que está no Museu de Arte Brasileira da FAAP. Após o bate-papo, o público participa de uma degustação de Johnnie Walker Black Label comandada pelo escocês Colin Pricthard, embaixador da marca no Brasil.

Fonte: Mundo do Marketing

Apesar da crise, jornais gratuitos se multiplicam

A fé no futuro dos jornais impressos se reflete no lançamento de novos títulos gratuitos e na ampliação da distribuição dos já existentes, como é o caso de Metro, agora na região do ABC paulista. Entre as novidades estão os semanários Tudo e AutoVrum e o quinzenal Money Jornal. Sobrevivendo apenas da verba publicitária, essas publicações apostam na segmentação e no conteúdo grátis como diferenciais para alavancar as vendas de anúncios.

O AutoVrum, versão para automóveis do já consolidado MotoVrum (voltado para motociclistas), da editora L.C. Comunicação, será lançado em novembro. Segundo o diretor da publicação, Lacerda Filho, a ideia de lançar um novo jornal surgiu pelo sucesso do MotoVrum. "Com a crise, os anunciantes tiveram as verbas reduzidas. Precisavam anunciar, mas não podiam gastar muito e precisavam do retorno imediato, por isso a segmentação", analisa.

Focado no segmento de imóveis, o Tudo foi lançado durante o Salão Imobiliário São Paulo, no final de setembro, pela Taurus Marketing. Com tiragem de 20 mil exemplares, o jornal é distribuído em 20 pontos da cidade. De acordo com o publisher Daniel Rosenthal, a publicação é voltada para as classes C e D e nasceu incentivada pelo programa habitacional Minha Casa, Minha Vida, do governo federal.

"O mercado imobiliário é um dos grandes ativadores da economia; por isso, teve grande aceitação de consumidores, principalmente de anunciantes considerados pontos finais (onde as vendas são efetivamente realizadas), como imobiliárias e sites de leilão", explica Rosenthal, ao adiantar que as expectativas são as melhores e que os anunciantes responderam bem às primeiras edições.

Já o Money Jornal é voltado ao mercado financeiro e foi lançado como um produto da Expo Money, uma espécie de feira de negócios sobre finanças pessoais. A publicação quinzenal teve sua primeira edição distribuída durante evento em São Paulo, também em setembro. Criada em parceria com a editora FullCase, está disponível em pontos estratégicos da cidade, com reportagens sobre finanças, carreira, dicas de investimento e panorama do mercado de ações.

Diretor da Expo Money, Robert Dannenberg conta que a empresa viu na crise uma oportunidade de segmentar o assunto. "Como as pessoas não têm tempo de pesquisar tantas informações, pensamos em levar conteúdo relevante, com o respaldo de um nome como Expo Money. O retorno dos anunciantes está sendo o melhor possível. A intenção é aumentar a tiragem e distribuir o jornal nas 11 cidades que recebem o evento", afirma.

Metro e Destak
Outra demonstração do vigor dos gratuitos é a iniciativa do Destak, que a partir desta segunda-feira, 26, passa a circular com 200 mil exemplares, distribuídos de segunda à quinta-feira, e uma edição especial às sextas-feiras com 250 mil exemplares. Segundo o diretor comercial do Destak, Claudio Zorzett, o objetivo é atingir um maior número de pessoas e alavancar as vendas com publicidade, principalmente no que se refere aos anunciantes da indústria e do varejo. A publicação também ampliou sua distribuição em São Paulo, principalmente nas regiões leste e norte da cidade, e também em Alphaville.

O concorrente Metro não ficou parado. Fruto de uma joint venture entre o Grupo Bandeirantes de Comunicação e a Metro Internacional, o jornal lançou na última sexta-feira, 23, uma edição exclusiva para a região do ABC paulista. A primeira distribuição de 30 mil exemplares, auditada pela BDO Trevisan, foi feita por promotores espalhados em mais de 40 pontos estratégicos. Segundo o presidente do Metro, Marcello D'Angelo, existe no ABC demanda por um jornal com o perfil do Metro. A nova operação vai mobilizar diariamente cerca de 80 pessoas, entre produção jornalística, comercialização e distribuição. "Já temos uma redação dedicada exclusivamente à região", destaca D'Angelo.

Fonte: Meio e Mensagem

Brasil sedia Creative Meeting Latam da Y&R

A Y&R recebe nesta semana em São Paulo o Creative Meeting Latam, seu encontro latino-americano de criativos. Sob comando do diretor de criação mundial Tony Granger, estarão presentes, entre outros, Eddie González (CEO da Y&R, Wunderman e Bravo na América Latina), Guillermo Vega (diretor regional criativo para América Latina), além dos líderes criativos dos escritórios da região: Antonio Sarroca (Chile), Diego Lazcano (Uruguai), Flavio Pantigoso (Peru), Martín Mercado (Argentina) e Rafael Barthaburu (Colômbia).

Da equipe brasileira, participam o vice-presidente Marco Versolato e os diretores Atila Francucci, Alexandre Vilella e Felipe Gall. Além de compartilhar trabalhos desenvolvidos nos países da região, o grupo ita definir objetivos para 2010.

Fonte: Meio e Mensagem

R/GA aterrissa no Brasil em 2010

A R/GA é mais uma agência digital norte-americana que chegará ao Brasil, seguindo o mesmo caminho anunciado há algumas semanas pela Razorfish. A empresa está buscando talentos locais e deverá abrir seu escritório em São Paulo no primeiro trimestre de 2010. O CEO Bob Greenberg já havia anunciado esta intenção em 2008.

Entretanto, o empurrãozinho que faltava foi dado pela recente conquista da verba digital global de Mastercard, anunciante que exige presença da agência no mercado brasileiro. Atualmente, a conta digital da Mastercard está na Sun MRM.

Fonte: Meio e Mensagem

Venda de imóveis em Campinas prospecta R$ 480 milhões

O 2° Salão Imobiliário de Campinas e Região (SIM), realizado semana passada em Campinas, superou em 150% o volume de negócios fechados durante o evento, que terminou domingo no Parque D. Pedro Shopping. A expectativa inicial da EP-Midia, promotora do evento, era de que fossem fechados R$ 100 milhões em negócios. O balanço final aponta que foram finalizados R$ 250 milhões em negócios, no entanto, a prospecção é de R$ 480 milhões.

O evento teve a participação de 30 expositores e atraiu um público de 20 mil visitantes. Segundo os expositores, entre os visitantes havia muitas famílias à procura de lotes, casas e apartamentos voltados à classe média e de alto padrão. O Banco do Brasil somou cerca de 200 propostas durante o SIM, somando R$ 24 milhões, impulsionado também pelas condições especiais exclusivas para aqueles que visitaram a feira.

O diretor executivo do Grupo EP-Midia, empresa que promoveu o 2° SIM, Dostoiévski Vieira Silbonne, ficou feliz com os resultados obtidos, e, por conta do resultado, 80% dos expositores já reservaram estandes para a próxima edição do Salão, em 2010. Para Dostoiévski, o evento mostrou que um imóvel é uma moeda forte.

"As pessoas estão comprando e voltaram a investir a longo prazo como forma de saírem do aluguel. As pessoas estão confiantes e isso se reflete no número de lançamentos e de negócios concretizados no evento", declarou Dostoiévski.

Algumas das empresas que participaram do 2° SIM avaliaram de forma positiva a prospecção de negócios realizados. Além de Campinas, o Salão contou com unidades em outras cidades da região, como Americana, Sumaré, Hortolândia, Valinhos, Vinhedo, Indaiatuba, Paulínia, Itatiba, Limeira, Piracicaba, e até do litoral.

A Cemara Loteamentos, que tem empreendimentos em Americana e Nova Odessa, prospectou R$ 3,2 milhões. O Grupo Thomasi Camargo, que tem empreendimento em Americana, aproveitou o salão para apresentar ao mercado o seu lado institucional com portfólio. O evento coincidiu com o novo momento da companhia, que desde maio de 2009 passou a atuar também no segmento da construção civil. Aos visitantes, a empresa anunciou o lançamento de dois empreendimentos imobiliários até o primeiro trimestre de 2010.

O secretário de Comércio, Indústria, Serviços e Turismo de Campinas, Sinval Dorigon, disse que a realização do SIM contribuiu para estimular os negócios na cidade e também na região. Ele lembra que, mesmo depois de seu término, o SIM continuará a movimentar o mercado imobiliário nos próximos seis meses por conta do cadastro e de contatos feitos durante a sua realização.


Fonte: DCI e ADEMI-RJ

Lello cria mais serviços para imóveis de luxo

A Lello Condomínios lançou um modelo segmentado para empreendimentos residenciais de luxo, que inclui a abertura de uma loja de serviços com mais de 100 produtos à disposição dos síndicos. A empresa investiu em pesquisas de mercado por dois anos, antes de lançar o novo braço de negócios. O serviço dá nova formatação à administração tradicional, pois oferece consultor especializado em atender o síndico e serviço personalizado a condomínio-clube.

Na loja de serviços, denominada Lello Store, a administradora disponibiliza aos clientes de sua carteira mais de 100 itens relacionados à gestão dos edifícios e seus funcionários, que podem ser adquiridos de forma avulsa ou por meio de assinatura mensal.

Galpões
Afora os condomínios de luxo, outro mercado em forte expansão é o de locação de galpões industriais, que praticamente não sofreu o impacto com a crise e vem apresentando valores crescentes de locação e de venda. Pesquisa da Colliers International mundial indica o Brasil como o país mais caro da América Latina em valores médios de aluguel de galpões industriais de alto padrão. O País ocupa a posição 108º num ranking de 158 países. Londres (Inglaterra), é a primeira mais cara do mundo [R$ 407,99 m²/mês], seguida por Oslo, na Noruega.

Fonte: DCI e ADEMI-RJ


Redução do IPI até dezembro de 2010

O setor de construção civil já pediu ao governo que mantenha a desoneração do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) em materiais de construção até dezembro de 2010. A solicitação foi feita por meio de um documento redigido pela Anamaco (Associação Nacional dos Comerciantes de Material de Construção), Abramat (Associação Brasileira da Indústria da Construção) e Abrafati (Associação Brasileira dos Fabricantes de Tintas), que participaram da 18ª Ecomac Bahia (Encontro dos Comerciantes de Material de Construção da Bahia).

De acordo com as entidades, diferentemente do que ocorreu com os setores de automóveis e linha branca, no caso dos materiais de construção, a desoneração do IPI não valeu para os estoques, já que o giro do segmento varia de 60 a 90 dias.

REPASSE TARDIO - As associações alegam que o desconto total correspondente à redução do imposto só foi repassado ao consumidor a partir de agosto. Isso teria feito, segundo os lojistas, que se adotassem preços médios, quando a medida foi aprovada, em abril, para atender os clientes, que já pediam preços menores na hora das compras.

Além disso, os empresários argumentam que a redução é fundamental para o programa “Minha casa, minha vida”.

Fonte: Zao Imóveis e Jornal Extra

Guaraná Antarctica reedita Pipoca com Guaraná

A partir de sexta-feira, 23, o Guaraná Antarctica estreiou sua nova campanha, em que faz uma reedição do seu jingle histórico "Pipoca com Guaraná". A nova letra estará na voz de Claudia Leite, estrela da marca, e celebra os momentos de diversão que o fim de semana traz.

Com criação da DM9DDB o filme traz o conceito "Energia que contagia" e será veiculado nacionalmente em TVs abertas e fechadas. O objetivo da campanha é indicar a trilha do Guaraná Antarctica como ponto de partida para a diversão das folgas merecidas. Nas cenas a cantora convoca o público para se contagiar com a energia do Guaraná Antarctica e extravasar nesses dias. O filme de 30 segundos traz imagens alegres e divertidas que foram gravadas na Praia do Pepino, no Rio de Janeiro - RJ.

Com criação de Sergio Valente, Rodolfo Sampaio e Julio Andery. A produtora foi a O2 Filmes, sob direção de cena de Luciano Moura.

Fonte: Meio e Mensagem

O que motiva o consumidor a comprar?

A motivação do consumidor para entrar em uma loja é uma informação preciosa para o departamento de Marketing de qualquer empresa. Para conhecer um pouco mais sobre este mistério que permeia a mente de muitos profissionais de Marketing, o Mundo do Marketing foi para o shopping Riosul, no Rio de Janeiro, para saber: o que motiva os consumidores a entrarem em determinada loja?

As respostas, como se esperava, são diversas. Mas a vitrine é a principal arma das lojas de shopping para tentar atrair o consumidor, assim como um bom atendimento, que fez com que Jonas Filho fosse buscar a loja Opção para a compra de um produto. Vitrine e atendimento são apenas algumas destas ferramentas que os pontos-de-venda precisam ter.

Qualidade, variedade de produtos e preço também estão na lista dos diferenciais mais citados. Porém, existem outras motivações que estão fora do alcance das empresas de varejo. A segurança de estar dentro de um shopping, a proximidade ou facilidade de acesso ao ponto-de-venda e até uma promessa feita para a filha, fazem os consumidores decidirem em questão de milésimos de segundo em que loja entrar.

Promessa é dívida...e também motiva
Saindo de uma loja de brinquedos com a filha, Elisa Borges Pereira mostrou que o que a fez entrar no ponto-de-venda não se encaixa em nenhuma estratégia de Marketing. “Minha filha ficou nervosa quando estávamos em uma enchente e prometi que se ficasse calma eu daria um presente a ela. Quando fazemos uma promessa para alguém, ainda mais para uma criança, temos que cumprir”, explica.

Além de buscar lojas de artigos infantis para presentear sua filha, Elisa ainda apontou para outro dado intrigante para os departamentos de Marketing que estudam o comportamento do consumidor. “As lojas de rua não tem segurança e por isso resolvi que a compra deste presente deveria ser feita num shopping, que é mais seguro”, aponta.

A compra por impulso também se vê com facilidade no varejo. No caso da aposentada Zélia Miranda e de outra compradora que prefere não se identificar, a vitrine atraiu a primeira, mas dentro da Casa & Vídeo, sua acompanhante encontrou um produto que estava procurando há dias. “Estava procurando um telefone e quando vi na loja, comprei. Foi por acaso”, diz.

Localização X variedade
Até o Dia das Crianças – que foi comemorado no dia 12 deste mês – ainda faz a alegria dos vendedores do Riosul. De acordo com a empresária Beatriz Lopes, o cartão da Lojas Americanas e a consequente facilidade no pagamento das compras foi o que a motivou a dar o presente de Dia das Crianças para sua sobrinha. “A facilidade de pagamento é o que me faz vir à loja com frequência”, acredita.

A localização do ponto-de-venda também é um diferencial motivacional para os consumidores. Lení Maria, funcionária do shopping Riosul, decidiu comprar produtos para o lar na Lojas Americanas por conta da praticidade. “É o lugar mais perto para eu comprar estes produtos. Além disso, a variedade facilita a compra. Só o preço é que eu diria que é razoável”, avalia Lení.

A variedade de produtos da loja Mercatto também chamou a atenção da vendedora Cristiana Mattos. “A loja também oferece um preço bom, mas a variedade é mais importante e é o que me motiva a comprar aqui”, diz. Saindo da mesma loja, Regina Sales, aposentada, foi atraída inicialmente pela vitrine, mas logo percebeu o principal diferencial da marca. “A vitrine chama a atenção, mas a variedade de produtos é o que me mais chamou a atenção”. Apesar do destaque dado às opções de peças de roupa oferecida pela Mercatto, a variedade pode acarretar em dúvidas. “Não comprei nada porque não achei algo que me interessou”, aponta.

Preço, atendimento...e concorrência
O fato de ter uma empresa concorrente atuando em um shopping center também é motivador de compra. Com a variedade de lojas do Riosul, a empresária do ramo de calçados, Ana Claudia, busca peças que possam servir de inspiração para suas futuras coleções. “Estou pesquisando lojas de calçados para lançar novos produtos”, conta.

O bom e velho atendimento continua sendo um diferencial para os pontos-de-venda. Levar o cliente até a porta e tratá-lo com cuidado e respeito ainda traz resultados. É o que diz Jonas Filho, profissional de TI, ao sair da loja Opção com uma compra. “Tenho afinidade e já conheço a marca. A qualidade dos produtos é o grande diferencial. O atendimento eu não preciso falar. É nota dez”, resume.

Na Lojas Americanas, o preço dos produtos foi o que motivou a compra da atendente Andrea Pereira. “Lá é mais barato”. Curiosamente foi a mesma opinião da publicitária Adriana Alves, ao sair da Zara. “Costumo comprar presentes lá por causa da qualidade e do design das roupas para crianças, mas o preço também me chama a atenção”, completa.

Fonte: Mundo do Marketing

Feirão dedicado ao "Minha casa, minha vida"

De sexta a domingo, a Baixada Fluminense promoveu m feirão de imóveis exclusivo para empreendimentos do programa "Minha casa, minha vida". Estiveram à venda cerca de cinco mil unidades na região, de dois e três quartos, das construtoras Tenda, MRV, MDL e CR2, voltados para famílias com renda mensal entre três e dez salários mínimos (R$ 1,395 e R$ 4.650). Os preços vão até R$ 130 mil.

O evento gratuito foi promovido pela Patrimóvel, com o apoio da Caixa Econômica Federal, e aconteceu no Shopping Grande Rio, em São João de Meriti.

Fonte: Extra e ADEMI-RJ

Salto em altura

A indústria da construção já deu largada à corrida pela construção de obras de envergadura olímpica no Rio de Janeiro. A O'R (Odebrecht Realizações Imobiliárias) começa a tirar da prancheta o projeto de um dos maiores pórticos do país. com 26 metros de altura, a estrutura será construída no primeiro empreendmento da empresa no Rio de Janeiro.

O Dimension Office & Park, na Barra da Tijuca, será lançado no último trimestre deste ano e deve ficar pronto em 2012. Em um terreno de aproximadamente 25 mil metros quadrados, o complexo abrigará escritórios comerciais, mall, estacionamento, restaurantes e serviços. O projeto prevê ainda uma exclusiva área verde para passeios e práticas esportivas. ) Voume geral de venda está estimado em R$ 240 milhões. O empreendimento é uma aposta da O'R no eixo da Barra, um dos mais concorridos novos polos imobiliários da Cidade Maravilhosa. Há, pelo menos, três outros projetos de envergadura brotando do canteiro de obras na região. Todos de grandes construtoras.

Fonte: Brasil Econômico e ADEMI-RJ

Gafisa quer incorporar total das ações da Tenda

O Conselho de Administração da construtora e incorporadora Gafisa pretende apresentar aos acionistas ainda este ano proposta de incorporação da totalidade das ações de sua controlada Tenda, da qual detém 60% do capital. As condições da incorporação ainda serão negociadas, segundo a Gafisa, mas a administração da empresa "entende que a relação de substituição adequada deveria estar dentro do intervalo entre 0,188 e 0,200 ação Gafisa para 1 ação Tenda", segundo fato relevante.

A Gafisa assumiu o controle da Tenda no ano passado. Em setembro de 2008, as empresas acertaram que a FIT Residencial, unidade imobiliária voltada à baixa renda da Gafisa, seria incorporada pela Tenda, em troca de ações representativas de 60% do capital total da última.

Os ex-controladores da Tenda José Olavo Mourão Alves Pinto e Henrique de Freitas Alves Pinto detêm 15,3% do capital da empresa e a Equity International, que também é sócia da Gafisa, possui outros 5%. Outros 19,7% das ações da Tenda estão nas mãos de outros acionistas.

"A administração da Gafisa acredita que a incorporação será vantajosa para os acionistas de ambas as companhias, na medida em que resultará na formação de uma líder nacional no setor de construção civil, gerando ganhos de escala e aumento de eficiências operacionais, comerciais e administrativas", segundo a construtora.

As empresas combinadas possuem valor de mercado de quase R$ 5 bilhões e têm vendas estimadas em cerca de R$ 3 bilhões em 2009. A Gafisa acredita que, caso as partes cheguem a termos negociais mutuamente satisfatórios, os respectivos Conselhos de Administração irão convocar, até 20 de novembro de 2009, as assembleias gerais para deliberar sobre a incorporação. Se a operação for aprovada, a Tenda passará a ser subsidiária integral da Gafisa e suas ações deixarão de ser negociadas no Novo Mercado da BM&FBovespa.

Fonte: Jornal do Commercio e ADEMI-RJ

O mais alto padrão de qualidade
O OneHydePark é diferente de tudo que já foi pensado em residência de alto padrão. O refinado Hotel Mandarin está por trás deste novo empreendimento em Londres. Ele escolheu quatro dos mais exclusivos escritórios de arquitetura do mundo para poder atender ao nível de exigência de seus futuros compradores.

A excelência começa com spas, quadras de squash, campo de cricket, salas reservadas à degustação de vinho, serviço de cozinha 24h para os mais preguiçosos e até segurança feita pelas Forças Especiais Britânicas. Seus apartamentos chegam a valer 100 milhões de libras.
Até a Rainha vai se interessar.

www.onehydepark.com

Fonte: Reprint

Tuites sobre literatura viram livro

Decifrar as peças de William Shakespeare em ensaios escolares aparentemente não foi o bastante para dois universitários.

Eles escreveram um livro com frases do Twitter que resumem e satirizam obras da literatura.

O "Twitterature: The World´s Greatest Books Retold Through Twitter" (algo como Twitteratura: Os Maiores Livros do Mundo Recontados Através do Twitter), que será lançado pela Penguin no próximo mês na Grã-Bretanha, é uma coletânea de 20 comentários irreverentes, profanos e algumas vezes brilhantes sobre ideias e temas sobre cerca de 60 clássicos da literatura.

Os "tuites" de Emmett Rensin e de Alexander Aciman combinam o conhecimento da língua inglesa com as abreviações de textos de mensagens escritas por adolescentes.

"É engraçado se você tiver lido os livros", disse Rensin, que leu todos os romances descritos até os 19 anos. Rensin é estudante de Inglês e Filosofia na Universidade de Chicago, e o outro autor do livro, Aciman, é formado em Literatura.

Os autores deixam bem claro que o livro não pretende ajudar estudantes a compreender "Paraíso Perdido", de Milton, ou "A Metamorfose", de Kafka, mas provocar risadas.

Tome como exemplo o "Inferno", de Dante, - que os autores resumiram em entradas no Twitter de até 140 caracteres: "Estou tendo uma crise de meia-idade. Perdido na floresta. Deveria ter trazido meu iPhone".

Ou "Édipo Rei", de Sófocles: "FESTA EM TEBAS!!! Ninguém se importa que eu matei aquele velho, e a mulher dele está dando em cima de mim".

Mas o livro recebeu críticas mistas.

"Algumas pessoas o acharam engraçado e algumas pessoas acharam que era desrespeitoso", disse Aciman.

O objetivo era fazer as pessoas rirem, não ofender os defensores da grande literatura, dizem os autores.

Fonte: Info Plantão

Twitter é rede de informação. E não mídia social

Biz Stone, um dos fundadores do Twitter, comemorou no Brasil o acerto de acordos assinados com duas grandes marcas do mundo digital: Google e Microsoft. Convidado pelo Grupo TV1 para se apresentar no segundo encontro Agenda do Futuro, realizado na noite desta quarta-feira, 22, ele deu os toques finais na negociação em São Paulo - e o anúncio foi feito nos Estados Unidos.

Com os acordos, os tweets (as mensagens de 140 caracteres) passam a constar das buscas feitas no Google ou no Bing, o sistema da Microsoft. Se alguém postar uma notícia a respeito de um evento em uma cidade, por exemplo, a informação entra na lista de resultados dos serviços. "Os acordos permitem uma busca melhor no Twitter. O search do Twitter só nos dá os últimos updates. Agora, com o Google e o Bing, que dominam o conhecimento da busca, o usuário poderá fazer uma pesquisa com maior valor", explicou Stone.

Assinar esse acordo reforça a filosofia do Twitter, que é a troca de informações, conforme salientou o cofundador. Em encontro com jornalistas antes de sua apresentação no evento da TV1, Stone comentou que procura manter uma relação aberta com todas as companhias possíveis, sejam elas de search, rede social, redes móveis ou redes de TV, com quem já teve algumas experiências nos Estados Unidos.

Nesse encontro, Stone reforçou palavras ditas durante o Festival de Cannes deste ano. Na ocasião, ao ser confrontado com comparações com o Facebook, ele afirmou que não via o Twitter como uma rede social, pois teria um papel mais complementar do que o site de Mark Zuckerberg. Em São Paulo, ele fez questão de enfatizar seu posicionamento. "Nós não nos consideramos uma rede social. Somos uma rede de informação". Isso porque os usuários continuamente reportam não apenas o que estão fazendo, mas o que está acontecendo ao seu redor, relatando de terremotos a protestos, entre outros temas que logo repercutem no mundo digital.

Também relembrando o que dissera em Cannes, quando avisou que começaria a ganhar dinheiro neste ano, Stone contou que passará a fazer receita em 2009, mas que não necessariamente será uma empresa lucrativa. Ele esclareceu que a companhia dedicou tempo e dinheiro para criar o "modelo de receita correto" para o Twitter. Como eles precisavam iniciar com algo, eles já deram largada em alguns experimentos.

"O primeiro projeto provavelmente será o de contas comerciais", afirmou. Isso significa serviços em que as companhias poderão medir seu sucesso no site de microblog - até o final do ano esse projeto deverá ficar pronto. "Há diversas corporações que utilizam o Twitter hoje, em uma atividade híbrida entre o marketing e o serviço de atendimento ao consumidor. Queremos fornecer um serviço adicional às companhias. Para que elas possam se tornar melhores twitters e seus seguidores possam ter uma melhor experiência. E, claro, para que o Twitter possa ganhar algum dinheiro".

No encontro Agenda do Futuro, que contou com 300 pessoas, Stone destacou alguns dos atributos que fizeram o Twitter crescer e conquistar tantos usuários (são mais de 44 milhões de cadastros, segundo dados de setembro). Além de contar como o site surgiu, o cofundador afirmou que a criatividade é uma fonte renovável e que é uma forma de superar obstáculos que antes pareciam intransponíveis.

Diversão
Um valor do Twitter, de acordo com Stone, é o humor. Isso ele provou contando a reação de outro fundador, Evan Williams, às críticas feitas ao site. Uma delas é que o site é divertido, porém não tem utilidade. A resposta de Williams foi "assim como o sorvete". Entre risos da platéia, Stone disse que eles vão continuar com a marca do humor.

Mas Stone voltou a ressaltar a posicionar o Twitter como um importante instrumento para compartilhar informação. Um exemplo dado para comprovar o poder que o site tem foi o de um estudante americano que esteve no Egito para participar de um protesto. Preso, ele postou uma mensagem no Twitter via celular: "arrested". Como as pessoas sabiam onde ele estava e o que tinha ido fazer, seus seguidores se mobilizaram e, algum tempo depois, ele enviou o recado que estava livre.

Com isso, Stone salientou que o Twitter não se trata de um triunfo da tecnologia, e sim da humanidade. Essa postura o leva a acreditar que o site tem um bom futuro pela frente. "Não acho que o que importa é quanto a tecnologia se desenvolveu. Tudo está relacionado com o quanto as pessoas se conectam às outras. Isso nós estimulamos".
Por outro lado, ele deposita grandes expectativas em relação ao mobile. Na conversa com os jornalistas, Stone reportou que há um crescimento expressivo do Twitter pelos celulares. No momento, o uso pelo site está estabilizado entre os norte-americanos, mas os acessos fora dos Estados Unidos vêm aumentando. Também cresce a utilização de aplicativos ligados ao microblog.

Solicitado na conversa com jornalistas a se definir em 140 caracteres, Stone respondeu que ficaria com apenas uma palavra: artista. Foi desse modo, como artista, que ele começou sua carreira. O desenho do passarinho que representa o site é dele. Mas o da baleia, não. Para quem não sabe, a baleia surge carregada por passarinhos quando o serviço trava em função do volume intenso de acessos ou dos problemas técnicos, fantasma que ainda persegue o Twitter, embora Stone diga que as pessoas têm visto um número menor de baleias ultimamente.

Fonte: Meio e Mensagem